domingo, maio 20, 2007

Um Pouco de Infância e Alguns Ventos – II


A cidade era pequena, mas o verão se vestia de grande. Desconhecida, nem violência escutara seu nome. O colégio, generoso, tinha amizade boa com surpresa, mais do que com o próprio ensino. É você o menino que escreve?

Os olhos em tropeço, recusando o desafio dos olhos dela, dedos apertando os livros para se livrar das mãos. O pátio em ventania de recreio salvava o silêncio. Ele não acreditava. Ela tinha curiosidade. A notícia das redações de classe tinha chegado à Quarta série.

No início, a poesia fazia o assunto da amizade, depois, a amizade se lambuzava pelos corredores e mal cabia em poesia. Descobriram que eram vizinhos de rua, bastavam duas quadras. Em pouco tempo, viraram também vizinhos de alguma outra coisa intima deles. Mas disso ninguém sabia.

Nas férias, as tardes levavam as crianças pra brincar e depois, exaustas, adormeciam em baixo da noite. O dia não era vigiado pelo relógio, por isso não tinha pressa de ir embora. Ele gostava da praça da Igreja, no alto. Dava pra ver a casa dela. Escrevia-lhe em bilhetes os sorrisos recém-nascidos pela manhã, mãos dos guris serviam correios. Ponderava a brincadeira e paixão, um olho na pipa, o outro ansioso investigava as pistas das respostas, os méritos e aparições. Daí, chegavam poemas em abraços, versos-olhos soprados nas beiradas das ruas – bem pequenos pra que ninguém notasse, - ao escurecer, telefonemas. E as paisagens exclusivamente femininas, ilustradas atrás da voz da ligação. O resto do mundo quase não fazia diferença.

Antes do sono, costurava com lápis acontecimentos na cabeceira. Reeditava episódios, imenso dele mesmo, formatava em letras rabiscadas, trancava tudo no quarto. Mãe insistia na janta. Cauteloso, carregava trechos no bolso, as palavras na ponta da língua. Quando a retribuição vinha forte, encorajava a mão direita a cantar a dela. A esquerda, com medo, se encolhia em aviso. Incerto, corria para longe de si mesmo, mas deixava os ouvidos fazendo companhia. Ela achava que ele fechava os olhos pra imaginar. Criaram o talento de ir para mundos irreais, às vezes, mesmo sem notar, faziam um pouco de esforço e iam. E ninguém era capaz de trazê-los. O tempo, rendido, esperava.

Por alguns anos, ele mesmo esboçou uma eternidade com as letras. No quarto, esboçou as histórias, as ruas, as esquinas. Até que finalmente deixou borrar toda sua obra-prima em lágrimas, quando desiludiram sua inspiração. A família dela ia pra cidade maior, restavam as férias como despedida. Pousou duas fitas que abanavam os cabelos em suas mãos. Eu volto, desejou. E foi de vez, do lugar escondido pela própria geografia. As fitas eram pra não esquecer dela.

O quarto engasgado. O colégio esvaziando de gente, a cidade silenciando seu nome, e os vestígios dela sendo pouco a pouco arrastados pelos ventos nos lugares prediletos. Só não arrastaram os recados gravados em caneta vermelha acenando no caderno. As mensagens nas nuvens zombando distâncias, as fitas descolorindo na prateleira do quarto, e os telefonemas ocasionais, moinhos de ausências. Você lembra que eu te chamava de meu poeta? Eles nunca puderam confessar que se amavam.


Fernando Palma, Dezembro de 2007

Marcadores: , , , , ,

19 Comentários:

Blogger Danilo de Castro disse...

Saudade é um ótimo sentimento, quando existe por boas razões, não por perdas. Sentir saudade é um modo de entender o amor.

Ficou muito bom, show! Abraço!

segunda-feira, 21 de maio de 2007 08:07:00 BRT  
Blogger cm disse...

...olhar o mundo e confessar o que se lé ate os silêncios é nobre...um abraço

segunda-feira, 21 de maio de 2007 08:16:00 BRT  
Blogger Leila Lopes disse...

são lembranças de ventos despertando sentimentos puros, feito de sensações deliciosas seu texto. Beijos, moço.

segunda-feira, 21 de maio de 2007 16:27:00 BRT  
Blogger I disse...

Olá Fernando! claro que me lembro! (mesmo com um oceano de permeio)

segunda-feira, 21 de maio de 2007 19:02:00 BRT  
Blogger Saramar disse...

Que coisa!
Você escreve poemas escondidos nestas histórias lindas.
Gosto demais de ler.

beijos

segunda-feira, 21 de maio de 2007 22:12:00 BRT  
Anonymous Fernanda disse...

Oi Fernando. Obrigada pelo comentário. O blog anda meio abandonado mas é por falta de tempo mesmo. Pode guardar o link que sempre que possível vou atualizando. Obrigada!

segunda-feira, 21 de maio de 2007 22:52:00 BRT  
Anonymous garota bossa nova disse...

E eles se perderam do mundo mas não de si que a fita desbotada e os carinhos nos cadernos não deixaram esquecer não...Eu gosto muito de finais felizes e fico triste de ver quando o amor não vinga.Mas mesmo assim como não achar lindo o que vc escreve?Que bom que vc voltou!Um beijo grande Nando!

P.S:Estou escrevendo num lugar novo agora.vai me visitar!

terça-feira, 22 de maio de 2007 02:09:00 BRT  
Blogger João Batista disse...

Fernando, ao contrário do que a Garota Bossa Nova diz, acho sim que teve um final feliz.
Não foi o final feliz dos sentimentos, mas com certeza o final feliz do maior do sentimentos, pois este ficou guardado na pureza e nas lembraças deles. Tenho certeza que a fita dos cabelos dela nunca terá o lixo como destino.
Muito bom o texto, muito mesmo!
Abraço!

terça-feira, 22 de maio de 2007 13:53:00 BRT  
Anonymous Gabi disse...

Divino

terça-feira, 22 de maio de 2007 19:29:00 BRT  
Blogger Deia disse...

Saudades de vir aqui, saudades de ti.
Adorei como sempre.
Não lembrava de já ter visto sua foto, adorei tb ..
lindo dia
muitos beijos

quarta-feira, 23 de maio de 2007 06:48:00 BRT  
Anonymous Geórgia disse...

Uma delicia de ler esse texto. O meu grifo vai para essa passagem: ''No início, a poesia fazia o assunto da amizade, depois, a amizade se lambuzava pelos corredores e mal cabia em poesia''. Lindaço. Meu beijo.

quarta-feira, 23 de maio de 2007 19:18:00 BRT  
Anonymous Francisco Dantas disse...

Valeu, Fernando. Muito bom, muito bem escrito, muito poético este seu texto. Valeu a pena o retorno. Grande abraço.

quinta-feira, 24 de maio de 2007 17:49:00 BRT  
Blogger Ana disse...

É você o menino que escreve?
Adorei ler.
Beijo.

quinta-feira, 24 de maio de 2007 19:49:00 BRT  
Anonymous Robson disse...

Já fazia um tempo que eu não passava por aqui e voltei a me surpreender com suas sacadas geniais...
Show, Plinty, muito show!

sábado, 26 de maio de 2007 05:06:00 BRT  
Anonymous Márcia do Valle disse...

Se eu comentar só esse texto, vou ser injusta com todos os outros que também acabei lendo. Gostei do seu blog! Vou te linkar no Solta no Mundo, ok?

segunda-feira, 28 de maio de 2007 14:13:00 BRT  
Anonymous Márcia do Valle disse...

Se eu comentar só esse texto, vou ser injusta com todos os outros que também acabei lendo. Gostei do seu blog! Vou te linkar no Solta no Mundo, ok?

segunda-feira, 28 de maio de 2007 14:13:00 BRT  
Anonymous Mariano Flores disse...

Muito bom e contagiante!!

segunda-feira, 28 de maio de 2007 17:56:00 BRT  
Anonymous Déa disse...

Que lindo! Acredito que o sentimento mais importante é o impronunciável, tão bem descrito por você. Gostei muito mesmo.
Um beijo!

terça-feira, 29 de maio de 2007 05:40:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Fernando,

Vc é muito bom,querido!!!Amo tudo que vc faz....belos textos,poemas...Perfeito.Sucesso.
Lady Vania de Tróia.

quarta-feira, 30 de maio de 2007 14:52:00 BRT  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial