sábado, agosto 27, 2005

Amor Proibido IV

É uma desordem dos tempos. Simples assim: hoje nós seríamos mais felizes no que nos faltou ontem. Mas o agora é nosso passado próximo que ainda não enxergamos, indeterminado. Eu não fui tão errado, nós não estamos tão errados, não escolhemos o tempo errado, o tempo também nos escolhe. Qualquer tempo é um início a menos que se deseje seu fim. Nós poderíamos até esquecer tudo isso que passou e eu ficava aqui brincando de ter treze anos e voltar a descobrir, lentamente, todos os seus traços que perseguiram os meus sonhos adolescentes. Então eu assistia todo esse filme recomeçar em algum lugar desconhecido entre seus olhos e o cinema que existe dentro destes - os meus. Perdoe-me se não escrevo nossa história como você acha que você teria escrito. Interpretar é isso, é acreditar. Você não entende porque acreditei em você, mas eu não acreditava era em mim. Eu te interpretei e fui culpado por essa inocência. Mas eu tinha mesmo que ter te perdido completamente para não ter que passar a vida inteira me cobrando que te perdi por pouco. Eu não fui forte. Forte como agora, como um pouco antes de agora, exatamente no instante que você me procurou. Depois daquele instante, meu corpo se desgarrou de um chão onde eu tinha me prendido nos últimos anos. Prendido tanto que já desconhecia a possibilidade de cortar minhas raízes dele. Eu quase voei. As sensações que me seguiram depois já foram bem diferentes - algumas foram carregadas de uma felicidade-infantil, outras vezes um pouco mais escuras e com uma dose moderada de tristeza justa; mas foram todas descendentes daquele mesmo instante -. Eu sei que você tem um medo escondido de me machucar, mas esquece que eu te entendo perfeitamente. Eu me desespero no seu equilíbrio-irresponsável. Nossa compreensão abastece minha capacidade de enxergar, mesmo tão distante, as respostas na profundeza de seus olhos. Se tirassem música de nossas conversas daria uma melodia suave. E o meu desejo de concluir nosso passado a escuta, em silêncio.

Agora, a minha sede de dias alegres disputa com essa distância cretina e uma razão inocente que você acha que afastam nossos caminhos. E eu fico aqui tentando lhe enviar poesias por nuvens e decifrar os seus próximos passos - que são leves como a sua voz ao telefone - enquanto o destino, senhor dos amores, brinca de fazer o tempo zombar de sentimentos.


Marcadores: , , , , ,

18 Comentários:

Anonymous Gabi disse...

Primeira a comentar!
Nossa, que coisa mais intensa você esar vivendo. Eu simplismente AMEI esse texto nem sei te dizer o trecho que mais goste. Espero que as coisas dêm certo pra você. Adoro seu blog!
Um beijo da Gabi.

sábado, 27 de agosto de 2005 15:17:00 BRT  
Anonymous doce disse...

oi nando;
esse texto é bem profundo, hein?gostei muito...bjao

sábado, 27 de agosto de 2005 18:30:00 BRT  
Anonymous Princess disse...

Acreditar em si mesmo.Eis uma das maiores premissas que acompanham o ser humano desde sempre.Acho que acreditar em si é quase sempre mais difícil do que acreditar nos outros.E como dói,saber que deixamos de ser felizes muitas vezes por causa de nossos próprios caprichos.Sim, a vida é uma grande aventura e temos que estar preparados para as indas e vindas deste mar grande de Deus!Quanto à sua sede de dias alegres,eles virão,pode ter certeza."Acredito em vc".

sábado, 27 de agosto de 2005 19:59:00 BRT  
Anonymous Bruno Pina disse...

É a mistura do platônico com o real e o impossível, só que ao mesmo tempo, palpável. Torço por vc cara. grande abraço

domingo, 28 de agosto de 2005 01:18:00 BRT  
Anonymous renata disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

domingo, 28 de agosto de 2005 16:03:00 BRT  
Blogger douglas D. disse...

Ao sorrirmos, o tempo estaciona em nossos sonhos. Quando a dor traz suas marcas, as madrugadas parecem longas, longas demais.

terça-feira, 30 de agosto de 2005 02:38:00 BRT  
Blogger douglas D. disse...

obrigado pela visita...mas não lembro de conhecer a sua amiga...

quinta-feira, 1 de setembro de 2005 03:21:00 BRT  
Anonymous Marcelo Cantalice Dias disse...

Viagens bem feitas são aquelas feitas com a força do pensamento!!!
Continue assim, indo e vindo no caminho das palavras.
Corra no campo da expressão, pois esta é a verdadeira arte!!!
Um Abração

quinta-feira, 1 de setembro de 2005 15:07:00 BRT  
Anonymous Moacir Caetano disse...

eu sei a força que tem um amor impossível!
a capacidade que tem de nos arrancar do real e fazer com que tudo se transforme numa névoa densa e deliciosa... e dolorosa!
Impossível... mas nem por isso menos amor!

quinta-feira, 1 de setembro de 2005 22:54:00 BRT  
Blogger Lucinha Horta disse...

Fernando, te achei no blog do Douglas e estou adorando ...voltarei muitas vezes! um berjo.

OBS:Vou colocar um texto seu no Dilua!

sexta-feira, 2 de setembro de 2005 11:05:00 BRT  
Anonymous edu disse...

ótimo. gostos desses temas, voc~e sabe.


.
.
.

abraço,
edu


abraço

sexta-feira, 2 de setembro de 2005 23:00:00 BRT  
Blogger Fane disse...

oi..palavras belas as tuas!!
Muito sentimento pelo meio..

jinhos

sábado, 3 de setembro de 2005 15:09:00 BRT  
Anonymous Princess disse...

Ei,sabe que o tal do abraço de palavras existe mesmo?Quando li o teu coment senti algo bom.Vc me abraçou?!Risos.Abraço meu!

sábado, 3 de setembro de 2005 16:59:00 BRT  
Anonymous Walter Palma disse...

Nando,
Escrever é estender a própria existência ao alcance dos textos. É permitir o compartilhamento de suas idéias, sonhos, inspirações, desejos, frustrações, forças, convicções e ideais com pessoas do presente, do futuro e, por que não, do passado, já que o tempo tem seus mistérios...
Escrever é, antes de tudo, um ato de coragem.
Parabéns e continue nos dando o e privilégio e o prazer do compartilhar sua bela existência.
Walter.

domingo, 4 de setembro de 2005 12:00:00 BRT  
Anonymous Adriana disse...

Que amor forte... todos deveriam amar assim.
Beijo
Dri

domingo, 4 de setembro de 2005 12:56:00 BRT  
Anonymous Arilson disse...

Nando, parabéns por compartilhar seus sentimentos, sua vida e sua arte conosco mais uma vez. Você sempre deixa a marca da sua forte personalidade com coregem e ousadia. Um texto profundo, intenso e extremamente belo que nos deixa emocionados ao lê-lo. Pelo visto você tem morrido de amor, mas não se esqueça que a gente pode viver de amor, estar amando é sinal de que se estar vivo.
Abração.

terça-feira, 6 de setembro de 2005 16:20:00 BRT  
Anonymous Isabel R. disse...

Eu vi seu link em outro blog e vim visita-lo. Gostei de alguns texto sque li, mas este me tocou muito. Simplismente demais. Infelismente o tempo nos faz desacreditar nestes amores, infelismente.
Bom, não podia deixar de comentar. Vou continuar lendo...

sábado, 10 de setembro de 2005 15:33:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Repito... os textos de paixões adolescentes são os melhores. Muuuuitooo lindooooo!! Fico sem palavras!

Isa

terça-feira, 6 de outubro de 2009 01:12:00 BRT  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial