sexta-feira, junho 08, 2007

Pedaços de Histórias - I


O Bolo
Rompeu com a covardia. Procurou a coragem. Marcou encontro, dia, horário, lugar. Finalmente iria conquistá-la. Como sempre sonhou.
Mas a coragem faltou.

***


Descanso
Nada mais poderia impedi-lo. Jogou fora o celular, as roupas, tudo que lembrasse que ele era ele, até o próprio corpo. Nunca havia juntado um sentimento tão grande de liberdade, e o contraditório é que, como nunca, sentia-se ele mesmo. Ainda não escolheu destino, talvez a mente de uma criança por perto, ou uma ave distante pra conhecer novas formas de vida. O que importa é partir logo. Um pouco de concentração, novas idéias, whisky na bagagem para qualquer emergência. Há anos ele estava tentando tirar férias dele mesmo.

***




Crescimento
Está amadurecendo aos poucos. Aprendendo. Largando a fase adulta e chegando a juventude. Esforçado, cria metas e calcula o resultado. E sabe que irá conseguir, mesmo que demore a vida inteira para alcançar. É preciso muito para se chegar a infância.


***

A Organização

Não foi fácil marcar o encontro. Não há meios de comunicação que sirvam a este tipo, e nem sempre por nome de gente podem ser identificados. Usaram um pouco de criatividade, mensagens por pedaços de sonhos e nuvens frescas em dia de outono. Mas lá estavam, organizados atrás de um arco-íris, algumas jujubas e chocolates para acompanhar a reunião. Queriam direitos, idéias. Deve haver uma maneira de espantar tanta solidão e esquecimento.
Todo amigo imaginário se sente só depois as crianças crescem.

Marcadores: , , ,

21 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Fernando,
acabou de postar e eu já aqui...aguardando ansiosamente.E valeu a pena,querido.Simplesmente forte,fortemente simples....sem paradoxo!rsrssr..adoro a paixão que vc escreve.Sempre mais crescimento e ilumininação.Parabéns!
beijos da Lady Vania.

sexta-feira, 8 de junho de 2007 17:01:00 BRT  
Anonymous Gabi disse...

Eu fiquei aqui imaginando a reunião dos amigos imaginarios...

sexta-feira, 8 de junho de 2007 17:04:00 BRT  
Blogger João Batista disse...

"Jogou fora o celular, as roupas, tudo que lembrasse que ele era ele, até o próprio corpo."

Muito interessante essa passagem de sair de si mesmo.
Passei um tempinho sem passar por aqui, né.. até perdi um texto! Mas vou lá!
Abraço!

sábado, 9 de junho de 2007 13:24:00 BRT  
Anonymous garotabossanova disse...

Sair fora de si,marcar encontros aos quais não vamos,viver a vida a cada dia, gota a gota comos e fora um suco delicioso e louco!Ah! A vida nas letras de um poeta parece sempre tão mágica que eu em esqueço das segunda-feiras!Beijo meu.

sábado, 9 de junho de 2007 15:43:00 BRT  
Blogger Guinevere disse...

Vejo que ñ fui so eu q gostei do DESCANÇO, hahaha
tirar ferias de tudo é de todos parece perfeito.
belissimos poemas.
iluminaram meu dia
bjus

sábado, 9 de junho de 2007 16:06:00 BRT  
Anonymous Edson Marques disse...

.





Meu aplauso!





.

sábado, 9 de junho de 2007 17:33:00 BRT  
Anonymous Fernanda disse...

Oi Fê!!!!
Já havia visto seu recado lá no On My Mind, mas não queria responder sem antes atualizar. Tô de volta!!!! Com mais inspiração. Quando quiser passa por lá. Beijos.

domingo, 10 de junho de 2007 20:33:00 BRT  
Blogger Saramar disse...

Eu me senti leve como pluma, lendo essas belezas suas.
Que reunião mais perfeita!

beijos, boa semana.

segunda-feira, 11 de junho de 2007 00:05:00 BRT  
Anonymous Guilherme Torres disse...

Eu gostei mais do Descanso!

segunda-feira, 11 de junho de 2007 06:55:00 BRT  
Anonymous Erika disse...

Libertar-se de sí mesmo. Gostei dessa idéia.
Obrigada pela visita ao Oncotô, volte sempre.

Beijos

segunda-feira, 11 de junho de 2007 08:47:00 BRT  
Blogger Larissa Marques disse...

Se despir de si não é tarefa fácil, mas é uma grata surpresa se ver sem marcas, sem referências, lindo texto...
Grata por sua visita!

segunda-feira, 11 de junho de 2007 10:02:00 BRT  
Anonymous _ Cleversom_ disse...

Fernando, estou viciado em seu blogue. Tudo aqui e muito encantador, li muitos textos de ontem para hoje e acho que ainda vou continuar lendo por muito tempo. Parabéns pelo belo trabalho, camarada!

segunda-feira, 11 de junho de 2007 10:13:00 BRT  
Blogger Claudia Perotti disse...

Ahhhhh Fernando, não sei dizer de qual gostei mais pq amo os seus textos.

Beijinhosssss

segunda-feira, 11 de junho de 2007 10:16:00 BRT  
Blogger teresamaremar disse...

Levamos a construir o crescimento, com ele vem o preconceito, a máscara, os anos deixando-nos reféns de uma série de elos, de "bem parecer"

"Está amadurecendo aos poucos. Aprendendo. Largando a fase adulta e chegando a juventude. É preciso muito para se chegar a infância."

"Está amadurecendo aos poucos. Aprendendo."

"É preciso muito para se chegar a infância."


é... faz depois falta voltar a acreditar, a sonhar, a ser genuíno.


Grata por mais uma visita.

segunda-feira, 11 de junho de 2007 19:47:00 BRT  
Blogger Antônio Alves disse...

Que maravilha, Fernando! Cada enredo é composto hermeticamente, conciso. Prova de que não são necessárias muitas linhas para construir histórias inteligentes e sagazes. Há braços!


Antônio Alves
No Passeio Público
Postagens às quartas e domingos

segunda-feira, 11 de junho de 2007 20:25:00 BRT  
Blogger Luzzsh disse...

É....a infância chega tarde...

:)

Beijos...

segunda-feira, 11 de junho de 2007 21:13:00 BRT  
Anonymous Adriana disse...

Um mais belo que o outro!

segunda-feira, 11 de junho de 2007 21:23:00 BRT  
Blogger Marcelo Cantalice Dias disse...

Nada como descobrir que ser criança é uma grande virtude!
E nada melhor do que perceber que seus textos amadurecem cada vez mais e que continua jogando inocentemente as palavras em cada coração blogueiro...
Abração do fã

segunda-feira, 11 de junho de 2007 23:07:00 BRT  
Blogger willian disse...

eu vago pelo vago e vasto mundo da internet,e brusco na busca de coisas como as que vc faz. encontro uma virgula que vira ponto e virgula e vira ponto e final.

é praseroso quando se le algo genuino!

sempre me disserão que eu escrevia muito bem mas agora vejo que apenas estou engatinhando!

sexta-feira, 15 de junho de 2007 17:23:00 BRT  
Anonymous Marta Cantalice disse...

Fernando,
Que lindo! Você achou o pó de pirlimpipim, encontrou a chave do segredo no seu texto que é pura magia - Crescimento. É preciso muito mesmo para se chegar a infância - mas escrevendo sem vergonha de se mostrar já é um atalho para encurtar este caminho.
Beijos de Marta Cantalice.

quarta-feira, 27 de junho de 2007 09:39:00 BRT  
Anonymous Caroline disse...

Me impresta um pouco da sua criatividade? :)

sábado, 26 de fevereiro de 2011 02:30:00 BRT  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial