sábado, julho 09, 2005

Palavras Mudas

Olhou-me,
Como se não compreendesse.
Num ritmo lento
De respirar.

A respiração dela desregulava a minha.

Tentou me agradar.
Tentou dizer algo.
Me abraçar.
Carregava uma tristeza no olhar.

Eu nuca vira tristeza tão bela.

Tentei lhe falar.
As palavras não vinham.
Forcei-as,
Não consegui explicar.
Não queria explicar.
Então silenciei.

Ela sempre entende meu silêncio.

Marcadores: , , , , , ,

6 Comentários:

Anonymous Adriana disse...

Oi fenando,
Descobri hoje seu blog. Gostei deste poema, depois volto para ler os outros...

sábado, 9 de julho de 2005 21:48:00 BRT  
Anonymous Saci disse...

Faaaaalllaaa cara de bolachaa !!! hehehehhe ta de fude seu flog. Bem sua cara mesmo, cheio de historias e poemas loucos e interessantes. Continue... hehehehe fui...

domingo, 10 de julho de 2005 13:22:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

domingo, 10 de julho de 2005 18:07:00 BRT  
Anonymous Esdras disse...

Acho que sei quem é !!!
Show esse poema, bem real !
demonstra o que realmente aconteceu com palavras diretas.

segunda-feira, 11 de julho de 2005 09:01:00 BRT  
Anonymous Alex disse...

Putz... muito bom o poema! muito bom mesmo!
Voltarei

segunda-feira, 11 de julho de 2005 12:10:00 BRT  
Anonymous Line disse...

Lindo, Nando! "Entrei" e me senti em casa":) bjão!

quarta-feira, 13 de julho de 2005 23:41:00 BRT  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial