sábado, outubro 15, 2005

A solidão - IV

Baseado em um texto de Princess

Encostou o sofá rente a tv, de costas para o silencio quente do apartamento. Deitou abraçada com uma sede que carregava por dentro. Um desejo sem destinatário. Juntou seu corpo de menina pré-adolescente escondendo-o atrás dos lençóis; e se deixou abandonar, como quando abandonava sua boneca em uma prateleira da estante.
Pôs um filme. Disney .
O início fazia os novos personagens confundirem a calma do apartamento. Mariana foi se deixando esquecer de seu próprio esquecimento. Deixou-se caminhar entre cenários desconhecidos, em liberdade. Sem rumo, sem saída, sem chegada. Sem dono. Sem limite para viver, para amar.


Suas fantasias cabiam dentro de uma caixa de imagens encantadas. Deixar-se levar pelos filmes fantasiosos lhe trazia uma sensação excitante, desconhecida. Viciante. Era como adormecer, mas sem fechar seus olhos. Como navegar por nuvens sem sair do lugar onde estava. Mariana não esperava pela noite para sonhar, adormecia por dentro durante as tardes. Ela não sonhava com o que via na tv, a tv era seu próprio sonho. Seu único. Sonhava o que não se permitia viver. Vivia o que não conseguia sonhar. Ela não acreditava em realizações de sonhos, os sonhos eram sua maior realização. Mariana tinha uma menina alegre dentro de si, agitada, cheia de vontades, que vivia bem longe daquela sala vazia de seu apartamento. Mas a guardava para ser usada quando houvesse alguma chance.
O desfecho do filme era o ápice de suas tardes em frente à tv. E o final significava para ela não só um trecho especial do filme, mas de sua própria existência. O sorriso acompanhou o destino do personagem que não só a divertia, mas lhe ensinava sobre sonhos e paixões. Mariana aprendeu a amar em frente à televisão. Aprendeu a coragem e o medo. O encanto e o desencanto. O bem e o mal.
A canção se espalhou entre sua memória que guardou aquele -mais um- final feliz como se fosse seu. E guardou o personagem como se fosse um novo amigo. A história como se fosse real. Neste momento Mariana já não distinguia sonho de realidade. Fantasia de comum. E adormeceu completamente para dentro de si. E se alguém pudesse lhe ver neste pequeno instante acharia que era apenas uma menina assistindo televisão.

Ps: Mais sobre este personagem no texto A solidão - II

Marcadores: , ,

21 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

sábado, 15 de outubro de 2005 20:48:00 BRT  
Blogger Fernando Palma disse...

Exclusão = span.

sábado, 15 de outubro de 2005 20:51:00 BRT  
Blogger Princess disse...

Esta sede que carregamos por dentro parece que não seca.Quanto mais sonhamos,quanto mais vivemos,mas a boca está seca,ávida por beber da água da vida.Acho que o mundo devia ser mais colorido,feito aqueles velhos pogramas de fim de tarde que passavam na tv(sempre ela)as vezes me sinto assim como a personagem do post,fazendo amigos telepáticos/televisivos porque os de fora já parecem não a compreender mais...Será o mundo algo compreensível?

Beijos Nando!Adorei o texto!;)

sábado, 15 de outubro de 2005 22:43:00 BRT  
Anonymous Geórgia disse...

Esse texto tem tudo a ver com a frase 'inspirante': "Não tive amigos imaginários, fiz amizade com a imaginação." Meu beijo Fernando.

sábado, 15 de outubro de 2005 23:00:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

domingo, 16 de outubro de 2005 02:35:00 BRST  
Anonymous leila disse...

Solidão misturada com esses sonhos todos, melhor ainda quando acordados, uma boa receita conhecida.
Beijo meu.

domingo, 16 de outubro de 2005 02:43:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Great blog you have here... certainly very interesting. Hope you don't mind I paid you a visit. Blogs are great for sharing this type of information. I also have a site, it's about Rash Guards because I like to surf. Or you may find my other Kissing Tips website useful if you're into romance or want some great FREE kissing tips and tricks.

Tyler - check me out here - mens rash guards

domingo, 16 de outubro de 2005 13:48:00 BRST  
Anonymous Maria do Céu Costa disse...

Um texto em que a personagem, sonha pensando que não está a sonhar é um sonhar acordado. É talvez a tranposição da Mariana menina na Mariana adulta. Agradavel o texto. Cumprimentos.

domingo, 16 de outubro de 2005 14:33:00 BRST  
Blogger Danilo de Castro disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

domingo, 16 de outubro de 2005 15:23:00 BRST  
Blogger Danilo de Castro disse...

Este texto me lembrou aquele problema de amigo imaginário. Muito bom!
Abraço

domingo, 16 de outubro de 2005 15:24:00 BRST  
Blogger GNM disse...

A Mariana é uma sortuda! É tão bom sonhar...
Uma excelente semana!

segunda-feira, 17 de outubro de 2005 10:15:00 BRST  
Blogger Dani F. disse...

Olá Fernando...Obrigada mais uma vez pela visita e pelo comementário tão oportuno. Às vezes é impossível separar raiva da decepção..mas sempre estou disposta à desafios...é isso que impulsiona a vida...mesclar a realidade com fantasia...que texto lindo...e muito bem escrito.
Deixar-se levar pela ficção...pelo balanço e ritmo de um sonho...perfeito...
abraço,

segunda-feira, 17 de outubro de 2005 10:29:00 BRST  
Blogger Claudia Perotti disse...

Belo texto!
Vejo-me nessa menina.
Boa semana!

Beijos

segunda-feira, 17 de outubro de 2005 11:02:00 BRST  
Anonymous Érico Fumero disse...

Caro Fernando,
a Mariana é minha amiga imaginária.
Gostei, o texto é encantador.

segunda-feira, 17 de outubro de 2005 14:39:00 BRST  
Anonymous Line disse...

Sinceramente, acho que, em Mariana, existe um linha muito tênue entre sonho e fuga. Até que ponto "adormecer por dentro" é, de fato, sonhar? Será que o Mickey sabe essa??

Adoro a personagem a Mariana! bjos!

segunda-feira, 17 de outubro de 2005 20:19:00 BRST  
Blogger Rubens da Cunha disse...

Oi Fernando,
obrigado pela visita. Este teu olhar sobre a infância me deixa meio tonto: ao mesmo tempo em que carrega uma certa alegria, estampa uma angústia intensa. Gosto muito da dubiedade que teu texto apresenta.
abraços

segunda-feira, 17 de outubro de 2005 21:17:00 BRST  
Anonymous Débora Tavares disse...

" ...adormecia por dentro" quantas vezes não nos vemos exatamente assim - por motivos e formas diversas. que bonito. beijos.

terça-feira, 18 de outubro de 2005 09:32:00 BRST  
Anonymous Carla disse...

Belo texto...
Realmente há muitas Marinas no mundo, a sonhar acordadas...

terça-feira, 18 de outubro de 2005 09:52:00 BRST  
Blogger Gwen disse...

fantástico!!!
...
impressionada
...
desejo sem destinatário
frase de peso...
...
sem palavras
...

terça-feira, 18 de outubro de 2005 12:13:00 BRST  
Anonymous Liliane disse...

minha filha chama-se Mariana.
bjos

terça-feira, 18 de outubro de 2005 13:41:00 BRST  
Anonymous Gabi disse...

A Mariana parece ser um aboa menina....Adorei o texto, e o personagem também...
Beijo Fernando !

terça-feira, 18 de outubro de 2005 19:10:00 BRST  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial